Carlos Matos e Fernando Teotónio vencem no Constálica Rallye Vouzela


Fernando Teotónio, piloto do Fundão, conduziu o Mitsubishi Lancer Evo IX ao triunfo na prova do Gondomar Automóvel Sport , na classificação do Campeonato Centro de Ralis, enquanto Carlos Matos, em Peugeot 208 T16 R5 foi o vencedor absoluto, e vitória no Grupo, com Pedro Leone a vencer nos Clássicos e Pedro Pereira Jr. a conquistar a totalidade de pontos no Challenge 1000.

 

Fernando Teotónio e Luís Morgadinho prosseguiram, nas estradas de Lafões, a incumbência de vencer. A dupla que absorveu também importantes pontos para o Desafio Kumho Asfalto e Centro, nunca se afastou da missão que o trouxe ao Constálica Rallye Vouzela, ao ser o mais rápido no final dos nove troços cronometrados da quinta etapa do Campeonato Centro de Ralis, terceira em pisos de asfalto.

O piloto do Mitsubishi Lancer Evo IX partiu para o dia de hoje com 0,3 segundos de vantagem para Pedro Leone e Bruno Ramos, em Ford Escort RS Cosworth (primeiro nos clássicos), para passar pela segunda posição nas duas especiais matinais e, a partir daí, disparou para uma prova quase sem mácula e assumir o comando para não mais o largar, vencendo seis dos nove troços disputados.

Fernando Teotónio terminou a prova com o tempo de 51m31,8s, com 13,1 segundos de vantagem para o piloto de Alpendurada, Gaspar Pinto, que faz equipa com Bernardo Gusmão. A dupla do Mitsubishi Lancer Evo V, que liderou as duas primeiras especiais, foi uma sombra do piloto do Fundão, nunca se dado por vencido, ficando ainda a consolação ter sido o mais rápido em três especiais.

Pedro Leone também esteve imparável, ao ascender ao lugar mais baixo do pódio, a 55,1 segundos do vencedor, à frente de Armando Carvalho e Ana Santos, em Mitsibishi Lancer Evo V, com a dupla de Vila Nova de Poiares a ficar a 1m23,1s de Fernando Teotónio, relegando para a quinta posição Luís Mota e Alexandre Ramos (Mitsubishi Lancer Evo VII), a 1m23,2s do vencedor e a 0,1 segundo de Armando Carvalho, com os dois pilotos a deixar um rasto de excelência ao volante pelo quarto melhor registo.

Nos lugares seguintes terminaram Nuno Meteus e Paulo Pimentel (Mitsubisho Lancer EvoIV, Rui da Silva Santos e Eduardo Santos (Subaru Impreza GRB), Rui Soares e Rui Saraiva (Subaru Impreza), Leonardo Coelho e Filipe Gomes (Subaru Impreza WRX STi), cabendo a David Azevedo e Numa Cunha (Peugeot 206 GTI) encerrar o “top ten” e primeiros das 2 Rodas Motrizes (2RM) e primeiro P1.

Pedro Pereira Jr. triunfou Challenge 1000

O Constálica Rallye Vouzela também teve emoção até ao fim no que concerne ao Challenge 1000. O piloto do Luso, Pedro Pereira Jr, a fazer equipa com Sandro Trindade, conduziu o Peugeot 107 ao triunfo, com o tempo total de 1h05m39,9s, deixando mais um sinal de que estamos perante um jovem promissor nesta disciplina automóvel.

No lugar intermédio do pódio ficou a dupla de Amarante, João Pestana e André Pestana, em Toyota Aygo, a 3m57,4s dos vencedores, numa prova que marcou a estreia absoluta de Tiago Santos nestas andanças. Com apenas 17 anos de idade, o jovem de Vila Nova de Poiares conduziu o Peugeot 107 ao terceiro lugar, a 5m19,8s do piloto amarantino.

Refira-se que, nas ligações, o carro francês da marca do “leão” era conduzido pelo navegador Luís Oliveira, mas certamente que os ralis ganharam mais um piloto, jovem que veio demonstrar que a competição automóvel continua a ser uma das paixões mais intensas no desporto nacional.

 

Carlos Matos vence “Constálica” pela quarta vez

Na prova extra reservada ao Grupo X5, Carlos Matos voltou a deixar vincada a sua marca triunfal. O piloto de S. Pedro do Sul, navegado por Jorge Henriques, não deixou os seus créditos por mãos alheias e colocou o Peugeot 208 T16 R5 nos trilhos que lhe deram acesso a subir ao lugar mais alto do pódio do Constálica Rally Vouzela, assim como em termos absolutos.

Carlos Matos assinou assim um triunfo que não sofre a mínima contestação, com o tempo total de 48m40,0s, menos 42,9s segundos que os segundos classificados, Vítor Pascoal e Ricardo Faria (Porsche 911 GT3 Cup). Tratou-se de mais uma luta entre estes dois “gladiadores do asfalto”, mas desta vez o resultado final inverteu-se para gáudio dos muitos aficionados do piloto da “casa”.

Luís Rocha/Rui Raimundo (Ford Fiesta R5) e André Lavadinho/Hugo Magalhães (Hyundai i20 R5) discutiram entre si a terceira posição até ao fim, decidida a favor da primeira dupla, por uma escassa margem de 10,9 segundos, mas só na última classificativa é que as dúvidas se dissiparam.

João Marcelino, que regressou à prova no esquema de super-rali, depois de ontem ter ficado apeado na super-especial nocturna, foi outro bravo do pelotão. O descendente de Carlos Matos, a fazer equipa com João Ruivo, recuperou muito do tempo perdido, para colocar o Renault Clio R3 na quarta posição, embora a distantes 6m02,9s do pai, mas na frente de José Cruz, navegado por Alexandre Marques, em que o piloto viseense a ter problemas no seu Porsche 911 SC.